quinta-feira, 12 de junho de 2008

Mudez claustrofóbica

Sou um maestro
procurando a melodia neste mundo instrumento
para um universo surdo

sou aquele amor mais secreto e puro
que morre no anonimato

a flor valente de Drummond
despedaçada no asfalto

as palavras, as línguas
com 500 mil anos de história
mudas diante dos sentimentos

sou a insignificância,
o homem diante da VIDA!
o feto no útero materno,
incapaz...

2 comentários:

Alexandre Lemke disse...

Diana assumindo seu lado poeta.

Guto disse...

É isso aí, Diana!

Eu acho que vc leva jeito pra brincar com os versos, cara...agora é só treinar.