sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Quero fazer um minuto de silêncio...

Não pelas crianças famintas na África,
Ou por um Tibet livre,
Ou pela barata que matei hoje de manhã

Apenas quero um pouco de silêncio,
Um egoísta minuto de silêncio!
Elevar minha mediocre indiferença ao máximo
esquecer o mundo
e fazer um minuto de silêncio por mim...

permitir-me sofrer sem culpa,
mandar tudo à merda e continuar imaculado

um único minuto
convertido em 2000 anos de história, agora esquecida
violentada por mim com um único mesquinho e tentador objetivo:
abandonar a sua memória
na solidão desse momento...


Li o comment do meu grande amigo Guto e sentime-me tentado a mexer no que chamei de "e o vento levou". Ao tentar reeditar o texto, pude notar como o momento molda as palavras. O que faço nos tópicos "Blá blá blá's" é apenas tentar transmitir oq estou sentindo a cada dia. Não somos agendas de hormônios que estaõ programadas para serem felizes na segunda, tristes na terça, rizonhas na quarta, etc. Somos um aglomerados de fatos que convergem para um sentimento diferente a cada segundo. Triste aqueles que não percebem isso e passam a vida inteira buscando apenas a "divina felicidade". Pobres pq nunca a alcançarão de fato....

Guto, um abraço.

Um comentário:

Guto disse...

"Somos um aglomerados de fatos que convergem para um sentimento diferente a cada segundo."

ISSO SIM É BONITO!

(pause)
hahahahaha
(restart)

Engraçado como o meu comentário sem nenhuma pretensão te mandou a uma volta filosofal impressionante que nos leva, novamente, a nossa conversa do último chope!

Só isso. Só isso e outra coisa.

Acho que nós dois estamos mais próximos da morte...a cada pequeno dia. E só há um homem mais infeliz que aquele que não morre antes do fim: aquele que não percebe sua morte (pequena contribuição do mestre Arnaldo Albarelli).