sábado, 11 de outubro de 2008

Passarinho

Todos os dias um passarinho vinha a minha janela e cantava.
Cantava a mesma música e depois ia embora.

Passei muito tempo sem entendê-lo.
Perdoe-me, passarinho
era a rotina que engolia a sua canção
e eu não percebia,
mas mesmo assim você retornava ritualisticamente
como se tivesse algo muito importante para me dizer,
como se eu fosse seu propósito de vida
e eu não percebia

Passarinho querido, perdoe-me por nunca antes ter te escutado!
Obrigado por ter acreditado em mim,
por ter insistido em mim,

Obrigado por me mostrar que o dia NASCE
por me trazer sempre uma nova música, mesmo sabendo que eu não
[percebia isso
por ter me amado como ninguém jamais me amou!

Você era o parteiro de cada manhã
Pai da existência que se renova
e eu não percebia...
Não percebia como a vida é virgem a cada segundo!





Todos os dias ainda olho para a janela.
Mas o passarinho nunca mais voltou
Acho que existem muitos Rodrigos pelo mundo que ainda não sabem
[escutar suas músicas
por isso você partiu,
porque você ama todos eles...

Passarinho!

...

obrigado

Um comentário:

Jaqui disse...

Rodrigo!

Você que fez esse poema?
Gostei muito!

É verdade, temos que tomar cuidado com a rotina, às vezes não damos valor para algumas coisas que estão debaixo do nosso nariz, pois devido a correria do dia-a-dia e tals é meio complicado.. mas o importante é que temos consciência, e por hora é isso que importa, mas temos que agir, não só pensar..

Por isso quando tenho vontade de falar algo ou fazer eu faço, tipo se tô com vontade de elogiar uma pessoa eu faço, se eu quero dizer que a amo tb e assim por diante!

Agora é só pensar e agir!! êêê

beijos

PS: vou virar fã das suas poesias Sr. Diana, rsrs