domingo, 29 de maio de 2011

Teia

Terminei um livro do Saint-Exupéry, "vol de nuit". Autor que admiro muito, não apenas pela sua biografia, mas sobretudo pela sutileza com que ele enxerga a vida. O livro em si é um pouco difícil de digerir no começo, mas o final justifica todo um enredo que antes parecia desconexo.

Enfim, o que quero compartilhar é que o livro coloca uma forte crítica a uma visão que defendi por muito tempo, de que as coisas carregam em si um sentido intrínseco que nos cabe enxergar, descobrir. Muito bonita mas pouco realista. Comecei a perceber isso conforme fui crescendo e vi a luta de cada um de nós, dia-a-dia, na busca de um sentido para este mundo. Essa questão no livro assume seu ápice na morte de um personagem; tema forte, mas que não chega a ser apelativo quando colocado pelas palavras de Exupéry. Quando é que começamos a sentir a perda de alguém? Aos poucos, quando percebemos que a dor não vem do fato em si, da morte, mas da teia de relações que deixam de fazer sentido para nós - o retrato na parede, o escritório vazio, o cachimbo que nunca mais deixou o criado mudo... São os sentidos que estão atrelados a cada um. Um sentido muito mais produzido do que intrínseco à cada objeto. E nesse processo criativo, nos tornamos então espécies de deuses, com o poder de dar sentido àquilo que tocamos, que criamos e que amamos? Não. Mas ao menos nos traz uma tranquilidade interior muito grande; não precisamos necessariamente nos tornarmos pessoas divinas que dizem compreender o sentido da vida para sermos alguém pleno interiormente. Somos todos humanos, cheios de sentidos, de relações; um ecossistema de dependências, causas e consequências. Mas ao mesmo tempo não somos livres de responsabilidades. Criar não se limita a produzir, mas a impulsionar essa grande teia para frente, que é a humanidade.

3 comentários:

isabela midori shibutani disse...

lindo! Posso dizer que me apaixonei por esse livro e me surgiu uma imeeeeensa vontade de ler!
Acho completamente inspirador esse tipo de visão!
Talvez seja por eu não ter crença em nada divino, mas eu acredito que as coisas sejam bem assim mesmo, um tanto sem precisar fazer sentido. Porque viver é uma arte. A gente se preocupa tanto porque tudo o que criamos tem algum propósito, é a necessidade do ser humano. E quando as coisas saem sem sentido, até mesmo nas ações, somos julgados por loucos, pessoas que perderam o juízo e que já não sabem mais o que fazem aqui.
O ato de viver vai além de qualquer ato ou pensamento racional. Não é de hoje que sempre escutamos que as maiores loucuras são as mais sensatas alegrias. E uma das coisas que mais marcam na nossa vida mesmo, são esses dias que a gente faz merda, que a gente erra, dá de cara com a parede, acha que fez uma loucura que não era pra ser feita... Erros não foram feitos para serem lamentados e nem julgados como loucos.
E eu acho que o verdadeiro sabor de viver está na consciência de que você está vivendo. não só seu dia a dia, mas todas as sensações, todas as dores e todas os sorrisos. Reparar em cada detalhe que te faz sentir a vida.

plunct plact zum disse...

Simplesmente sensato e sensivel. A sociedade nada mais eh do que uma consciencia coletiva que transcende, como jah dizia Durkheim. Me encanta esses temas existenciais e eh incrivel como faz sentido essa razao da teia ligada ao ser-sentimento que dah um sentido para a vida. Quero esse livro nas minhas maos! Quanto tempo nao nos falamos Ro! saudades

Rodrigo Diana disse...

Ai jesuis! Eu sou muito demorado pra responder... fb e orkut (ainda existe?) sabem disso!

Ah, fico feliz que vcs tenham gostado do texto e que tenham ficado com vontade de ler esse livro! Eu repito que o início dele é meio chato, mas ele é bem curtinho, então acho que vale mesmo a pena dar uma lida. Até pq é um tipw de livro que é construido pelas palavras, pela descrição momentânea dos fatos. Eu descrevendo a situação não é a mesma coisa, o negócio é ler e terminar de ler um trecho e colocar o livro no colo, esquecer o mundo por uns minutos e pensar na vida. Sentimento muito bom que nos faz sentir vivos! =D

Saudade de vcs! Espero que estejam curtindo esse brasilbaronil em meu nome. Beijos!